Textos – Folhetim

Estela sempre foi a mais bonita de suas amigas, cabelos loiros, rosto angelical, pele levemente bronzeada, desde menina chamava atenção por onde passava e quando foi crescendo a natureza, muito generosa, ainda lhe deu um lindo corpo.

Nasceu em uma família tradicional e filha única sempre foi tratada como uma princesa. Estudou nos melhores colégios, frequentava as altas rodas. Desde a escola namorava Rodolfo e aos vinte e quatro anos, formada em administração de empresas, ansiava por se casar. Seu maior sonho era entrar na catedral com Rodolfo e em seguida oferecer uma grande festa no clube mais tradicional da cidade.

Rodolfo, herdeiro de uma rede de supermercados, tinha a mesma idade de Estela e também acabara de se formar, mas diferentemente de sua namorada se sentia muito jovem para o compromisso matrimonial. Eis que um dia terminou abruptamente seu relacionamento. Deixou claro que não havia mais volta.

Contudo, cerca de um mês depois, ela descobriu que Rodolfo estava namorando sua melhor amiga, Maria Clara!

Estela, duplamente traída, ficou arrasada. Parou de comer por uma semana, por meses não quis sequer sair de casa, aos poucos, por influência das amigas e da família retomou sua vida social, voltou a frequentar festas e até instalou em seu celular um aplicativo de encontros. Não faltavam pretendentes, sua beleza atraía, mas sua tristeza profunda acabava por afastar.

Com Valdir foi diferente. Ele não era bonito, mas sua simpatia e charme chamaram a atenção de Estela. Conheceram-se pelo aplicativo, conversaram bastante e saíram pela primeira vez para o cinema. Seus encontros foram se repetindo e ficando cada vez mais frequentes até que um dia Valdir a pediu em namoro.

De vez em quando ela ainda se pegava suspirando ao lembrar-se do jantar romântico. Valdir, apaixonado, pensou nos mínimos detalhes. Arrumou-se impecavelmente, se perfumou, a buscou em casa com flores e uma caixa de bombom. A caminho do restaurante seguravam as mãos e trocavam beijos exageradamente apaixonados. Ao chegar, o maitre os recebeu e levou a uma mesa reservada no canto mais charmoso do local, onde havia uma mesa posta com velas acesas e até uma garrafa de champagne em um balde de gelo, a refeição foi impecável e na hora da sobremesa, mousse de papaia com cassis, Valdir, levemente trêmulo, falou de sua paixão e como queria que Estela fosse sua namorada. Encantada, ela disse “mil vezes sim”, que seu coração já pertencia a Valdir e deram um beijo cinematográfico.

Passados os primeiros meses do relacionamento, Valdir planejou a primeira viagem do casal. Estela nutria grandes expectativas, estava certa que ele, que vinha se comportando como um namorado exemplar, preparava algo inesquecível. Quando fechava os olhos se imaginava em uma praia paradisíaca, ou em um hotel charmoso na serra. Aquele homem era o príncipe que ela sempre sonhou.

No grande dia, um sábado, ele chegou logo pela manhã em sua casa, naquela noite Estela sequer havia dormido pensando na viagem romântica que se aproximava. Ao recebê-lo estranhou o fato de Valdir estar com a barba por fazer, o que não era comum, bem como suas nove malas grandes, mas pensou que ali provavelmente estaria escondida sua surpresa da viagem. Foram juntos ao aeroporto internacional. Ela ficou encantada. “Vamos ao exterior! Que surpresa maravilhosa!”.

Pensou em qual seria o destino romântico. Será que Valdir a levaria para Paris ou Nova Iorque? No aeroporto o suspense acabou, ele carinhosamente olhou para ela e sussurrou cheio de ternura “você irá adorar Assunción del Paraguay”. Estela a princípio não se agradou com a escolha de seu amor, mas confiava em seu gosto.

Valdir estava um pouco agitado naquele dia, no terminal, olhava para todos os lados freneticamente até que, repentinamente, foi abordado por um agente da Polícia Federal que o reconheceu e prendeu.

Estela, perplexa com a situação, caiu em prantos. Valdir pediu ao policial que pudesse falar particularmente com sua namorada antes de ser conduzido. Olhou nos olhos dela e disse “Nunca senti por mulher nenhuma o que senti por você”, pegou sua mão, colocou um lindo anel de brilhantes e afirmou que pretendia, nessa viagem, a pedir em casamento e por fim sussurrou bem baixinho “na mala que deixei em sua casa existe mais uma prova inequívoca de meu amor”. Estela, não conseguindo controlar seu choro, afirmou a Valdir soluçando que mesmo que ele ficasse preso pela eternidade nada mudaria o amor de ambos e que o visitaria religiosamente toda semana na prisão.

Quando voltou para casa Estela abriu a mala e não acreditou quando viu que Valdir deixou para ela  as instruções, os dados e a senha para movimentar uma conta no exterior. Quando seguiu o indicado Estela ficou estupefata. Oito milhões de dólares!

Valdir foi julgado e condenado a vinte anos de prisão por diversos crimes, mas seu esquema financeiro era tão bem arquitetado que a polícia e a  justiça jamais tiveram notícia da conta de Estela.

Estela estava, mais uma vez, sozinha e triste, contudo rica. Resolveu investir no ramo de supermercados, o que fez com que reencontrasse Rodolfo, que já pertencia ao quadro de diretores da empresa de seu pai, a qual passava por sérias dificuldades financeiras.

Foi quando Estela propôs investir significativos recursos para reerguer a rede de supermercados, colocando uma condição essencial para a realização do negócio: Rodolfo teria que se casar com ela.

Por pressão de sua família Rodolfo se viu forçado a terminar seu noivado com Maria Clara.

Estela e Rodolfo fizeram o maior casamento que a cidade já viu.  A sociedade celebrou a união do casal no clube mais tradicional da cidade. O evento do ano estampou todos os jornais. Finalmente o sonho de Estela  foi realizado.

Hoje, com dez anos de casados, eles formam uma linda família, com dois filhos, digna de comercial de margarina. A rede de supermercados é a maior do estado. Maria Clara continua sendo amante de Rodolfo e Valdir continua na prisão, sem nunca ter recebido uma visita de Estela.

Um comentário em “Textos – Folhetim

Tem alguma dúvida, ou quer compartilhar uma dica? Deixe seu comentário!