Viagens – Fim de Semana em Inhotim e Belo Horizonte

* Atualizado em maio de 2017

inhotim_4

A Beleza em sua essência mora em Inhotim, lá estão reunidos o melhor da natureza, com suas cores, sons e cheiros e também do homem, expresso pela diversidade da arte contemporânea. Visitar o Parque/Museu é uma experiência singular.

Nos hospedamos em Belo Horizonte (a aproximadamente 60 Km de distância). Passamos apenas um dia em Brumadinho (nome da cidade onde fica o Instituto Inhotim), embora dois dias seja mais adequado para se apreciar com mais calma a genial conjunção de arte e natureza. 

Belo Horizonte

1º dia

Chegamos em BH pelo Aeroporto de Confins, que fica bem afastado da cidade, contudo, como optamos por alugar um carro para o final de semana, a distância não foi problema. O trânsito estava tranquilo e chegar à cidade foi rápido, mas é importante ressaltar que era sábado pela manhã, quando não há rush.

Antes de irmos para o hotel, resolvemos passar pela Pampulha (que fica no caminho) e conhecer o famoso conjunto arquitetônico de Oscar Niemeyer, em especial a Igrejinha de São Francisco de Assis. Embora a obra seja mais conhecida por seu exterior, dentro há uma rica coleção de arte, cujo destaque maior é o mural de Cândido Portinari.

Passei um bom tempo contemplando o mural, que tendo sido concluído no final da segunda guerra mundial retrata a angústia e desesperança do homem comum. Bem interessante também é a figura do santo, que, ao menos para mim, carrega mais humanidade que os demais personagens da pintura.

Em seguida fomos para o hotel fazer o check-in e deixar nossas malas. Nos hospedamos no Ibis do Savassi que fica em local de acesso rápido aos principais pontos turísticos da cidade (como todos os hotéis Ibis é bem básico – contudo achei o café da manhã desse muito  bom – destaque para o pão de queijo).

Dali fomos para o Mercado Central de BH, onde há uma grande diversidade de comidas, bebidas, artesanatos e o que mais você imaginar (desde suplementos para os fitness a animais vivos para os orgãnicos e naturebas, passando por cerveja artesanal para os cachaceiros).

Seguimos para um dos mais conhecidos pontos da capital mineira, a Praça da Liberdade no centro da cidade, onde fica o  Palácio da Liberdade (antigo palácio do governador cujos jardins são abertos à visitação).

Na praça ficam também o interativo Museu das Minas e do Metal, e o Centro Cultural Banco do Brasil, que além de boas exposições conta com dois restaurantes bem legais no pátio interno. Almoçamos no Café com Letras, que estava participando da Restaurant Week.

No fim do dia fomos para a cervejaria Hofbrauhaus, onde bebemos alguns canecões de chope alemão e comemos comidas típicas alemãs. A HB de BH é bem fidedigna à sede de Munique. Vale a visita.

Inhotim

2º dia

No dia seguinte pegamos estrada bem cedo (a visitação ao Instituto é de 09:30 às 17:30). Para quem não estiver de carro, o Parque/Museu disponibiliza transporte com saídas do Savassi. Recomendo que compre o ingresso antecipado pela internet, o que vai ajudar a economizar um bom tempo de fila.

Pela internet há, ainda, a opção de comprar o transporte interno (feito em carrinhos de golfe – o que indico bastante se sua ideia for ver tudo em apenas um dia),

Cabe ressaltar que como você passará o dia inteiro dentro de Inhotim provavelmente será necessário utilizar os serviços de um dos restaurantes (recentemente foi inaugurado um restaurante à quilo) ou das cafeterias do local, tendo em vista a proibição à entrada de alimentos.

No parque certamente você já se encantará com as primeiras intervenções, na beira de um lago, e se surpreenderá com cada pavilhão de artistas. Todos os temas cabem em Inhotim, desde preservação da natureza, da vida indígena, ao existencialismo, passando por denúncias sociais, e críticas à sociedade mercantilizada.

Narcissus garden, de Yayoi Kusama Nagano

Obra de arte sem título, de Edgar de Souza.

Nessa nova visita fomos pela primeira vez na galeria Claudia Andujar, que foi inaugurada em 2015 e que passou a ser minha nova galeria favorita do Museu. Suas fotos tiradas durante décadas de convivência com os Yanomamis são tocantes. É imperdível.

Como muitas obras são interativas, prepare-se para a fantástica possibilidade de ouvir “o som da terra”, de mergulhar em piscinas com correntes (vale levar roupa de banho) e até deitar em redes.

Inhotim não é só para ser visto, é para ser vivido. As fotos, acima compartilhadas, não chegam nem um pouco perto da experiência que é estar lá.


Avaliações no TripAdvisor

https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g1747395-d1743976-Reviews-Inhotim-Brumadinho_State_of_Minas_Gerais.html

https://www.tripadvisor.com.br/Restaurant_Review-g303374-d2663326-Reviews-Domenico_Pizzeria_Trattoria-Belo_Horizonte_State_of_Minas_Gerais.html

Tem alguma dúvida, ou quer compartilhar uma dica? Deixe seu comentário!